A loja como um hub de experiências.

A loja como um hub de experiências.

Valorizar o comércio local tem sido uma das tônicas recorrentes nas discussões sobre os impactos no varejo nesses momentos de pandemia. Porém a ênfase em pequenos comércios requer alguns cuidados adicionais na estratégia das marcas,comumente voltadas para as grandes contas. A loja é a fronteira onde a experiência de consumo se materializa,

De nada adianta desenvolver e fabricar o melhor produto, definir os canais de distribuição, manter os produtos nas prateleiras ou gôndolas, comunicar muito bem a marca numa estratégia multicanal, se no momento da compra quem estiver do outro lado do balcão não interpretar e traduzir de forma eficaz os anseios e necessidades do consumidor, que no final é quem materializa o real valor da marca e do produto.

Eu quero esse!

Luis Antônio, do time boomee , passou recentemente por uma experiência que ilustra bem essa situação.

A psicóloga Virginia Alice, da Síntese Aprendizagens, diz que netos são a sobremesa da vida e Luis está desfrutando da sua. Foi “convencido” pela neta que era uma boa hora para um sorvete, e assim foram para a padaria.

Como boa consumidora, do alto de sua vasta experiência de 2 anos no assunto, sem se importar com nada além do sabor e demais indutores que a levam a escolher o produto e ter sua experiência, sabia exatamente o que queria.

Sua neta fez questão de escolher o sorvete e, apontando o dedo e abrindo aquele sorriso que nos encanta. Para a surpresa do Luis a atendente respondeu a ela:  “Esse custa R$ 28,00. Tem certeza? Tem esse outro aqui”. Como em boomee entendemos o quanto vários fatores influenciam na experiência como um todo com o produto, Luis viu o quanto a atendente poderia influenciar na escola, não necessariamente melhor para a “consumidora”.

Para muitas categorias de produtos, como mostra este estudo, as crianças têm influência direta na decisão de compra, quando não tem certeza do que deseja, incluindo sabor e marca.

Sem ter a noção de todas as ações que foram adotadas anteriormente pela marca para que o consumidor escolha aquele produto, a atendente colocou uma barreira para a compra, possivelmente influenciado por suas próprias convicções.Um melhor alinhamento entre a proposta de valor da marca e o discurso na ponta, onde a decisão de compra realmente se materializa, pode determinar o assassinato ou crescimento de um produto.

Quanto à neta do Luis, já está perguntando quando será a próxima ida à padaria.

2 comentários em “A loja como um hub de experiências.”

  1. Muito interessante essa matéria! O mais importante da experiência do Luís com sua neta, foi a síntese de análise de marketing, onde realmente estão as oportunidades de mercado! Parabéns Luís Antônio!

Deixe um comentário